Desafio Bíblico – Novo Testamento 

Que tal desafiar sua juventude à leitura de todo o Novo Testamento em 30 dias? São 260 capítulos em um mês. Aproximadamente 7 a 9 capítulos por dia. Com certeza um desafio e tanto.

Mas os jovens Adventistas gostam de desafios e de superarem os mesmos. E foi pensando neles que a União Sul Brasileira (USB) criou o Desafio Bíblico, que convida os jovens à 30 dias de dedicação adicional à leitura da Palavra de Deus no Novo Testamento. 

Como materiais de apoio temos o guia geral dos 30 dias e as imagens de lembrete da leitura de cada dia. Arquivos estes que serão postados em nossas redes sociais, e aqui neste post (em breve).

Algumas sociedades/clubes já iniciaram o desafio é outros estão iniciando neste sábado (01/04). E queremos convidar você a aceitar este desafio conosco, e participar do #biblechallenge valendo brindes ou prêmios. Não fique de fora!

O desafio pode ser realizado em paralelo (junto) com seu ano bíblico e/ou Reavivados (#primeiroDeus) sem problemas.

O desafio está lançado! Vai encarar? #desafiobiblico #biblechalenge

Anúncios

Começando do Zero – Sociedade Jovem

Ano novo, novos cargos! E com isso, temos recebido dezenas de e-mails e mensagens nas redes sociais de novos líderes pedindo ajuda e dicas de como iniciar o Ministério Jovem ou Sociedade Jovem do nada.

Pois bem, você está lendo um artigo de um site, criado por um jovem que não sabia nada sobre ministério jovem. Então, você não está sozinho neste mundo, há muito a aprender.

A primeira coisa que você deve ter em mente é sua total dependência de Deus. Você foi chamado para realizar esta obra e somente através da busca em Deus você conseguirá se capacitar. Este site é apenas um instrumento para lhe auxiliar.

Como você pode ler no artigo Iniciando no Ministério Jovem, são necessários alguns passos para a implantação da sociedade jovem. E um dos passos mais importantes é o desenvolvimento do hábito da leitura. Há muito material de capacitação disponível, o que falta é pessoal disposto a buscar o conhecimento nestes através da leitura. Que este não seja o seu caso. E para ajudar você nesta jornada, indiquei algumas das literaturas que foram meu “alicerce” no ministério jovem, depois da Bíblia, no artigo Dicas de Leituras.

Neste artigo quero tratar em específico sobre a Sociedade Jovem, ou Sociedade de Jovens Adventistas. Criada em 1879 por Luther Warren e Harry Fenner, dois jovens preocupados com a espiritualidade e salvação dos jovens de sua igreja, possui em sua origem o objetivo de Salvar os jovens do pecado e Guiá-los no serviço aos outros.

A sociedade jovem é um ministério, dentro da igreja, com foco nos jovens, assim como os Aventureiros focam nas crianças e os Desbravadores focam nos adolescentes, a Sociedade Jovem tem um papel relevante dentro da IASD.

Muitos confundem o Ministério com os projetos do Ministério, grandes e bem-sucedidos projetos do ministério jovem como Clube de Jovens, G148, Calebe, PG My Style, DNA.com, são sim ótimas formas de envolver os jovens e estimulá-los à missão, mas devemos ter em mente que o Ministério Jovem não se resume apenas a cada um, ou a união destes. Estes grandes projetos são apenas “filhos” da sociedade jovem, que desde sua criação enfrentou diversos momentos de dificuldade e adaptação.

A sociedade jovem vai além de organizar o Retiro Espiritual, realizar cultos jovens e programas de datas especiais. É no envolvimento na sociedade jovem, que os jovens desenvolvem e aprimoram seus dons e habilidades para a Obra, tornando-se aptos para num futuro próximo assumirem cargos de liderança na igreja. Os jovens são assim desafiados a viver uma vida cristã autêntica, num mundo em que o compromisso e autenticidade tem perdido completamente o valor.

Isto é possível de ser alcançado através da forma singular de atuação da sociedade de jovens, provendo aos jovens momentos de reflexão, capacitação e evangelismo, mas proporcionando também momentos de lazer, recreação, envolvimento e atividades espirituais. Despertando assim, comprometimento e interesse dos jovens na Mensagem.

Eu poderia tentar discorrer do tema por horas a fio, mas isso não seria o suficiente para fazer de você um líder capacitado capaz de saber tudo sobre Sociedade de Jovens, mas como dito no início do artigo, é necessário empenho e leitura. Recomendo a leitura dos artigos citados no início do post, e dos materiais disponíveis em nossa Nuvem de Conteúdos, em especial na pasta Sociedade Jovem, com materiais específicos sobre o tema. Os créditos dos materiais vão para o meu amigo Isaías Cardoso, do UJA (Universos Jovem Adventista).

 

Planejando o calendário de atividades

projeto-gestao-cronograma

O ano de 2017 está começando, e como um bom líder, tenho certeza que você deseja iniciar o ano com boa parte do planejamento de atividades e projetos para este ano, bem elaborados e com suas datas marcadas.

Talvez (na maioria dos casos) pode ser difícil conseguir seguir à risca todas as datas devido a imprevistos, mas esta não é uma desculpa válida para procrastinar com o planejamento prévio – seja ele anual, semestral ou trimestral.

Para desenvolver a construção de um calendário de atividades, será necessário levar em consideração diversos fatores:

  • Calendário do Campo (Associação/Missão)

  • Calendário do Distrito

  • Calendário da Igreja

  • Calendário (letivo) dos Jovens

  • Projetos a desenvolver

Calendário do Campo

Este é um calendário ao qual você como líder deve se atentar bastante, a maioria dos campos já define e publica em seus calendários os projetos mais importantes (abrangentes) que serão realizados tanto em nível de campo quanto a nível de região ou distrito. Assim, muitos dos projetos que o ministério jovem deverá realizar a nível de distrito (como projeto bálsamo ou quebrando o silêncio, por exemplo) já estarão inclusos neste calendário, necessitando apenas ser replicado para o calendário local jovem. Respeite este calendário. Jamais organize ou marque eventos jovens paralelos em datas que coincidam com eventos que englobem toda a igreja, e por consequência, os jovens.

Calendário do Distrito

Mais local, mas não menos importante que o anterior. Este calendário, por muitas vezes desenvolvido pelo pastor e liderança distrital, engloba os projetos já listados no calendário do campo acrescido de pequenos projetos regionais/locais específicos (aniversário da cidade, corrida da saúde, etc.). Há distritos que simplesmente utilizam o calendário do campo como o seu próprio e publicam anúncios de projetos e eventos locais conforme a proximidade das datas dos mesmos, assim, procure se informar com seu pastor distrital, buscando, junto a ele e à liderança, “reservar” as datas que o ministério jovem precisará “usar”, para evitar conflito de datas.

Calendário da Igreja

É praticamente equiparado ao calendário distrital – há igrejas que não tem. É nele que estão programadas as datas específicas dos evangelismos, visitações, semanas de oração, e etc. Se esse calendário existir em sua igreja, além de não ignorá-lo, busque fazer parte dele, propondo a inclusão das atividades jovens no mesmo.

Atente-se ainda para datas periódicas e recorrentes que sempre estão presentes no cronograma da igreja – 13º sábado; sábado da criança; sábado da educação; quarta-feira do poder; etc. – tentando sempre conciliar as datas.

Calendário Letivo dos Jovens

Por mais que a maioria dos participantes do Ministério Jovem tenham mais que 18 anos, é necessário atentar para os calendários escolares dos jovens – tanto do ensino médio quanto da universidade – quando se planejar realizar atividades que demandem deslocamento e pernoites no decorrer da semana. Leve em consideração também, quando passeios e eventos nos últimos meses do ano, as datas de provas de seleção de vestibular, para não obrigar o jovem a escolher entre um fim de semana com Deus e uma tarde estressante de prova.

E como estamos falando de jovens de “maior idade”, é evidente que boa parte deles também já tenham emprego. Então eventos de meio de semana, podem consumir algumas folgas ou uns dias de salário.

Projetos a Desenvolver

Enfim chegamos no ponto que é a dificuldade de muitos, mas que é a peça chave para o planejamento do calendário de atividades para o ministério jovem. Antes de começar a se planejar, é necessário saber o que é preciso fazer e como se quer chegar até o objetivo. Se o objetivo é que os jovens sejam condecorados em medalhas, não basta apenas marcar no calendário a data da cerimônia. É preciso programar o início do projeto, os treinos, as provas e, por fim, a condecoração.

Como você deve ter percebido, os tópicos e calendários anteriores são bem objetivos, basta replicar as datas de projetos comuns e evitar projetos paralelos conflitantes. Assim, é aqui que vamos focar: em como organizar os projetos a se desenvolver no decorrer do ano.

Pelo menos dois pastores departamentais de jovens, a nível de campo, me deram uma regra de ouro para planejamento de atividades anuais de jovens. Um deles foi o Ivancy Araujo (ASPa 2014) e o outro foi o pastor Fernando Galvão (MOPa 2016). E ambos me disseram que o ano deveria ser divido em duas partes:

  • Primeiro semestre, para capacitação;

  • Segundo semestre, para eventos – que culminem com o resultado da capacitação;

Assim, já posso lhe adiantar que: os primeiros meses de atividades de seu ministério jovem devem ser de aprendizado, fortalecimento e capacitação. Depois que todo mundo souber o que e por que está fazendo, é hora de “brincar” e se “divertir”, ou melhor “se investir”. Então, as dicas de planejamento deste artigo seguirão a lógica descrita acima, que é a que até agora tem demonstrado bom sucesso.

Para a construção do cronograma de atividades, usaremos o Manual Jovem e os Cartões de Liderança e Medalhas, pautando as atividades pelas necessidades de capacitação e resultados.

Primeiro Semestre: Capacitação

Uma ótima forma de trabalhar com novos membros e novos aspirantes é justamente iniciar o ano introduzindo os mesmos no ministério jovem desde a base, com os princípios básicos. Nisto, começar o ano com capacitação cai bem como uma luva.

Lembre-se que, quanto mais detalhado o seu calendário de atividades, melhor será para seu controle e acompanhamento do cumprimento do mesmo. Por exemplo, se em janeiro vocês iniciarão a leitura do ano bíblico e do livro do ano, marque em seu calendário a data do “super culto jovem de lançamento do Ano Bíblico 2017”. Além de lembrar a data, realizar um culto especial para o lançamento de um projeto dá bastante crédito ao mesmo. E da mesma forma, detalhe no calendário as datas das provas do Bom de Bíblia (Ano Bíblico) e das premiações.

Desenvolva uma técnica eficaz de relembrar as datas. Seja através dos avisos semanais do mural, seja através dos grupos do Telegram/WhatsApp; seja pela página da Sociedade Jovem nas redes sociais; seja por um App específico; ou seja ligando para cada membro da igreja, o importante é ser lembrado. Não adianta você desenvolver o melhor, mais bonito, mais funcional e perfeito calendário Jovem do mundo, se ele e lembrete de seus projetos ficarem esquecidos na gaveta de sua escrivaninha. Divulgue!

Para leitura de livros, tente buscar uma base de tempo necessário para a leitura do mesmo, e marque a data de início e a data de provável fim da leitura, isso estimula o compromisso e desafia os participantes.

Você pode inclusive utilizar o Retiro Espiritual como um evento de lançamento de boa parte dos projetos do ano. Tome o cuidado de deixar todos os dados bem explicados e de não sobrecarregar de informações.

Informe-se de antemão sobre cursos de capacitação oferecidos pelo campo, e verifique se os mesmos já estão previstos em calendário geral. Verifique também a possibilidade da visita do departamental jovem do seu campo à sua região/distrito.

Promova cultos especiais (sábado pela manhã e domingo à noite) feito pelos e para os jovens. Faça cerimônias de admissão JA – lembrando-se de deixar o pastor distrital e o regional JA sempre informados – e promova cultos com diferencial jovem, utilizando inclusive as palestras desenvolvidas na capacitação. Este último é uma ótima forma de descobrir e desenvolver ótimos pregadores.

Para cultos jovens e reuniões de JPG (pequeno grupo jovem) defina também as datas e horários. E utilize estes momentos para desenvolver a capacidade dos jovens aspirantes. São momentos perfeitamente aplicáveis às palestras e discussões requeridas nos cartões de liderança. O objetivo maior é salvar, conscientizar e capacitar a juventude participante.

Um ano novo – assim como uma nova semana – é sempre uma ótima oportunidade para decidir ser mais saudável e ativo. Então, aproveite o sangue quente da galera para propor o “Desafio Medalha de Bronze/Prata/Ouro”. Além de ser uma ótima oportunidade para se reunir periodicamente durante os treinos (fortalecer relacionamentos), também pode estimular alguns mais sedentários a se tornarem mais ativos. O prazo médio para um corpo sedentário se acostumar com a nova rotina é de 40 dias, e para um jovem totalmente sedentário alcançar alguns dos resultados requeridos no Cartão Medalha de Bronze é de cerca de 90 dias. Assim, se tudo der certo, será possível realizar até as três modalidades do cartão no mesmo ano.

Lembre-se dos eventos das datas especiais: dia das mães, dia do jovem adventista, dia dos namorados, semana santa, etc. São eventos “obrigatórios” a se realizar e que podem ser muito bem utilizados para o fortalecimento da juventude: passeio especial no domingo das mães (com as mães é claro); passeio no clube ou fazenda no dia do jovem adventista; jantar especial para os jovens solteiros ou casais; etc.

Aproveite ainda o primeiro semestre para desenvolver encontros de capacitação evangelística. Ensinar os jovens a ministrarem estudos bíblicos, visitações, sermões e palestras. Além de desenvolver os jovens, eles ainda ficarão mais preparados para a missão Calebe, Semana Santa e Semana de Oração Jovem.

Segundo Semestre: Eventos e Reconhecimentos

Na segunda metade do ano acontecem as campais e ACAMP jovens em diversas regiões. É a época mais “badalada” dos calendários, e, como falei acima, é o período recomendado para pôr em prática toda a capacitação do início do ano. Atente-se para os “feriadões” disponíveis no calendário, para aproveitar e “emendar” as folgas, estendendo assim o período dos acampamentos e passeios.

Uma ideia importante a se frisar aqui é que o ministério Jovem deve sempre trabalhar com projetos ao invés de eventos. Eventos na sua maioria possuem apenas o “durante”, enquanto projetos focam no “antes, durante e depois”. Em resumo: desenvolva as atividades do ano com objetivos claros e que culminem com um grande “evento de celebração”.

Dependendo da região, é uma boa época para acampamentos de verão (ou inverno) com a sociedade jovem da igreja local ou distrital/regional. Utilizando um fim de semana do mês de dezembro, é uma ótima oportunidade para reconhecer e ressaltar todos os projetos e atividades realizadas durante o ano. E se possível ainda premiar os “melhores do ano”.

Programe uma vigília jovem, se possível com todo o distrito para compartilhar de temas relevantes, e de quebra utilizar a oportunidade para os aspirantes palestrarem aos jovens. Não deixe passar em branco as datas comemorativas, como o dia do Pastor, dia das Crianças, dia dos Pais. Além de homenagear, é possível realizar projetos especiais nestas datas, como visita a orfanatos, homenagens aos pastores e pais, etc.

É também neste período, que, após a cumprimento das atividades e requisitos durante o ano, são realizadas as cerimônias de condecoração de medalhas e investidura de líderes. Programe-se com seus jovens, para realização das condecorações, e verifique as datas de envio dos relatórios de liderança para avaliação junto ao Departamental do Campo. Há também as premiações dos concursos bíblicos, projeto bálsamo (finados) e a preparação do mutirão de natal.

Por fim, o calendário, ou cronograma de atividades, deve possuir a cara e personalidade de seus jovens. Deve expressar quem vocês são, querem ser e podem ser. Deve ser montado conforme a sua realidade e suas necessidades. As regras básicas são estas, e então, você com sua equipe de liderança jovem, organizam e desenvolvem o restante, preenchendo as lacunas.

Disponibilizamos um modelo de Cronograma, com dicas de atividades gerais, você pode utilizá-lo como base e adicionar as suas atividades a ele. Você pode baixá-lo neste link. Na dúvida, converse com seu Regional/Distrital Jovem e com o Pastor de seu distrito, ou aproveite e nos envie um e-mail para contato@guiadolider.com e teremos muito prazer em lhe ajudar.

Ano Bíblico – Download 

O novo ano começou! E com ele novos projetos e desafios para o ministério jovem. 
Um dos desafios é a leitura da bíblia em um ano, que, além de fortalecer a espiritualidade dos jovens, é um dos requisitos do cartão de liderança. 

Você já pode baixar o guia de leitura do Ano Bíblico 2017 através deste link. O arquivo está em nossa Nuvem de Conteúdos, em formato para impressão. 
Você pode participar conosco, enviando suas dúvidas e sugestões através do nosso e-mail contato@guiadolider.com, em 2017 estamos preparando novos conteúdos, mais dinâmicos e relevantes para auxiliar e capacitar líderes para o ministério jovem. E você faz parte deste ministério. 

Eu Creio – Tema 2017

eu-creiologo

31 de outubro de 1517 é uma data muito especial para o cristianismo protestante. Nesse dia, Martinho Lutero cravou as famosas 95 teses na Catedral de Wittenberg, ato que marcou o início de uma mensagem revolucionária para a época e que perdura até hoje.

Martinho Lutero e outros mártires da fé defendiam o que criam e tinham algumas características em comum:

  1. Plena convicção nas crenças fundamentadas na Palavra de Deus.
  2. Disposição de defender essas crenças e, se fosse necessário, dar a própria vida antes de renunciar a fé.
  3. Anunciar ao mundo que estava em trevas (Idade Escura) esta luz resgatadora e confortante: as Escrituras.

Em suas últimas palavras, Ellen G. White disse: “Eu sei em quem tenho crido” (Mulher de Visão, p. 537). Jó, homem íntegro e reto, provado ao máximo, mas sempre fiel ao Senhor, declarou: “Eu sei que meu redentor vive e por fim se levantará sobre a Terra” (Jó 19:25). Os Reformadores também deixaram registradas frases que resumiam as suas crenças:

John Wycliffe – “A verdadeira autoridade emana da Bíblia, que contém o suficiente para governar o mundo” (citação em seu livro De sufficientia legis Christi).

Martinho Lutero – “[…] pelos textos da Sagrada Escritura que citei, estou submetido à minha consciência e unido à Palavra de Deus. Por isso, não posso nem quero retratar-me de nada, porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem saudável”. “Não posso fazer outra coisa, esta é a minha posição. Que Deus me ajude!” (Wikipédia).

John Huss – Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim” (cantado por Huss enquanto era queimado vivo Wikipédia).

Já passaram 500 anos da chamada Reforma Protestante e precisamos voltar a suscitar jovens com esses mesmos valores, capazes de defender suas crenças e dispostos a lutar para que esses princípios bíblicos sejam conhecidos pelos necessitados da Palavra de Deus.

Querido líder, leve a sua juventude a estudar mais a Bíblia e aprofundar-se em suas crenças. Aproveite cada culto jovem, acampamento, encontro de PG, classe jovem da Escola Sabatina, retiro e vigília para reforçar a prática da fé. Que a nossa juventude possa ter segurança e convicção na hora de dizer EU CREIO.

Sempre Maranata!

Pr. Carlos Campitelli
Líder do Ministério Jovem
Divisão Sul-Americana

retirado do Sistema de Gerenciamento do Ministério Jovem

Pokémon – Desafio ou oportunidade?

maxresdefault-1-1-1024x576

Em uma sociedade altamente tecnológica, há ondas e manias, assim como modas e virais surgindo a todos instante. Coisas que eram legais ontem, hoje não o são mais. O que é descolado hoje amanhã será brega. O que era engraçado semana passada, na próxima semana será tão sério a ponto de gerar discussões acaloradas.

Nesse mundo de constantes novidades e mudanças há diversas coisas que nos chamam a atenção e até nos cativam por alguns dias. Mas há outras que conseguem alcançar as massas, mobilizar multidões e mudar a forma de se enxergar ou fazer algo, e podem durar de semanas a até anos, a essas algumas pessoas chamam de “fenômenos”.

Muitos desses fenômenos têm o poder de influenciar a sociedade, ou uma fatia específica dela. Foi assim nos anos 90 no auge dos álbuns de figurinhas e dos Tamaguchis (bichinhos virtuais), que cativaram boa parte da atenção das crianças da época. Falando dos álbuns, estes tinham suas vendas impulsionadas pelos fenômenos das telinhas: animes, desenhos animados e videogames.

Mas como tudo é passageiro, os fenômenos vão, e nascem novos para substituí-los. Mas há momentos em que alguém usa uma “carta mágica” ou “junta as esferas e faz um pedido a Shen-Long” e consegue trazer um fenômeno de volta à vida. Muitas dessas “ressurreições” não são bem-sucedidas, mas se forem usados novos artifícios e adaptações ao mundo tecnológico atual, é possível que o fôlego deste possa durar bem mais do que o imaginado.

Este é o caso do atualmente tão aclamado Pokémon GO™! Jogo lançado pela Niantic para as diversas plataformas móveis, e que têm levantado as mais diversas polêmicas e discursões.

Pokemon_Go-large_trans++mEd_OD6oDY-WNV6xOah-4xZcdvsamV4Iv_kby3OPODM

Pokémon GO- Mais de 1 milhão de instalações

Não é necessário entrar em detalhes, por que você leitor, possivelmente já deve ter ouvido falar, seja na internet, televisão ou nas diversas mensagens no WhatsApp que apontam o jogo como instrumento de Teoria da Conspiração da CIA ou a legiões de habitantes do Abismo. O jogo consiste em sair de casa – ou do confortável sofá – e literalmente andar em busca das criaturinhas que animavam as manhãs da garotada dos anos 90 e 2.000 (250 no total). É o ressurgimento de uma franquia que já arrecadou milhões através do desenho animado, jogos para Nitendo™ em suas diversas plataformas e na indústria de roupas, pelúcias e brinquedos. Mas agora, o fenômeno ataca de forma diferente.

Pokémon, que vem do anagrama Pocket + Monsters (monstros de bolso, em tradução livre), e parte do princípio que no “universo” do desenho animado os jovens podem capturar criaturas em esferas especiais e levarem em seus bolsos e mochilas por onde for, buscando sempre os animais mais raros. Nesta nova forma de jogo, os dois “universos” se encontram: o real (nosso) e o virtual (Pokémons). Através da tecnologia de Realidade Aumentada, que utiliza GPS e a câmera dos celulares para emular a presença dos bichinhos em diversos lugares do globo onde o Google Maps™ esteja presente. Mas, como escrevi acima, não quero aqui dividir com você uma biografia Pokémon. O objetivo principal deste texto é lhe ajudar a perceber a realidade que estamos vivendo e que importantes ações podem ser tomadas para salvação de nossos jovens.

pokemon-go-g1

Capturando o Charmander

Uma das principais coisas a se fazer, ou melhor, não fazer, se você faz parte do movimento “anti-Pokémon” é parar de compartilhar mensagens “anti-Pokémon”, isso não dá certo. Assim como acontece com muitos outros conteúdos, virais e campanhas, quanto mais você compartilhar falando contra, mais pessoas ficarão sabendo, e até mesmo as que não conheciam ou não haviam ouvido falar, vão sentir o desejo e a curiosidade de instalar e jogar, só por causa do “marketing indireto” – conheço pessoas que só decidiram baixar e jogar depois de verem diversas mensagens criticando, condenando e dizendo para não jogar. Ao expor sua indignação e contrariedade ao jogo explicitamente, você vai causar o inverso do que realmente deseja. Então, continue lendo.

Agora, se você é do movimento “pró-Pokémon”, acredita que isso não tem nada a ver, que é apenas um jogo e não faz mal algum, eu digo o seguinte: tudo bem, Pikachu não é o rei dos demônios, e você não vai carregar o primeiro ministro do inferno em seu bolso com seu celular, mas é bom tomar alguns cuidados para manter sua integridade física e espiritual. E ainda mais, se você é um líder de jovens, você precisará desenvolver técnicas mais avançadas que os seus jovens amigos que também jogam e “dominam ginásios” com você. Continue a leitura.

Existe ainda um terceiro grupo de pessoas nesse novo mundo em que encontramos Pidgeys em cima do sofá e Ratatas na calçada do vizinho. É o movimento do “Evangelho em Realidade Aumentada” ou “Bible-Go” (tá bom, essa definição e nome fui eu que inventei, mas só pra exemplificar). Esse terceiro grupo, ao contrário dos apenas céticos, enxergam novas oportunidades no surgimento de novos (ou renovados) fenômenos, como o Pokémon-GO. Estas pessoas olham para a realidade aumentada presente no jogo e enxergam um terceiro universo entre os dois propostos no jogo: o universo espiritual, mas especificamente o celestial.

Esse terceiro universo – na verdade o primeiro e original – encontra-se completamente misturado ao nosso, principalmente após a vida, morte e ressurreição de Cristo para resgatar seus filhos. O problema é que poucas pessoas sabem ou se lembram que possuem o app “Biblia Sagrada” à disposição (aqui me refiro à versão impressa mesmo), através dele é possível enxergar nitidamente o quanto do universo espiritual há em nossa realidade, e o quanto este universo pode influenciar nossas vidas.

Ao pesquisar sobre as tragédias e confusões causadas por jogadores do jogo, você irá se deparar com situações cômicas e até “aberrações”, como também tristes infelicidades. Desde pessoas em lugares inusitados de formas inusitadas, até a pais que abandonaram o filho em casa para caçar Pokémons e acidentes fatais envolvendo jogadores. A lista é extensa, muita gente tem se dado mal ao não ler e nem seguir as instruções de segurança que o jogo apresenta.

Mas se você aproveitar e pesquisar sobre os benefícios e boas mudanças que o jogo causou, vai perceber que estas chegam a superar as anteriores. Lojas têm vendido cerca de 200% a mais que o normal utilizando como marketing a captura grátis de Pokémons em suas instalações ou ainda em suas propagandas em sites e nas redes sociais. Até o fato de utilizar a imagem dos personagens nas vitrines são impulsionadores de visitas. Lugares antes pouco visitados aumentaram o número de visitantes, mesmo que em busca de Pokémons.

Mas não é apenas no meio capitalista que a presença do jogo tem se mostrado eficaz. Pela primeira vez, em nossa era “Poketronic” (Pocket + Eletronic = eletrônicos de bolso, inventado agora) vemos um jogo trabalhar de forma contrária aos outros no ambiente social e relacional. Ao analisar outras grandes franquias atuais de jogos móveis, como Clash Of Clans, Subway Surfers, Candy Crush, Angry Birds e tantas outras, vemos que o produto dos jogos são pessoas alienadas, incomunicáveis, que jogam em casa, trancadas no quarto conversando apenas pelos mensageiros instantâneos ou chats dos jogos. A geração do smartphone está (ou estava) caminhando justamente neste rumo, a falta de interação com o mundo afora e, consequentemente, com as pessoas ao redor.

pokemon-go-central-park

Grande reunião para “caçada” no Central Park, NY, EUA.

E o que se tem percebido com o advento do Pokémon GO é justamente o contrário. Muitos jovens formam equipes para caçarem juntas, outros se encontram nos ginásios e Pokestops e acabam se conhecendo e formando novas amizades. É difícil discordar, que as pessoas estão saindo de casa e tomando um pouco de sol.

E é nesse aspecto que os “mestres Bible-GO” enxergam a oportunidade de “capturar” novos amigos, estudantes da bíblia, e futuros irmãos em Cristo. Ir aonde os jovens, os velhos, as pessoas estão indo, e através de criação e estreitamento de laços, desvendar a Realidade Aumentada da salvação aos jogadores que estão com sua conexão móvel e GPS desativados. É aproveitar-se da tecnologia, da era digital e praticar o Evangelismo Digital. Agindo desta forma, é possível literalmente “virar o jogo” para o nosso lado, e assim nos tornamos mestres em “capturar” almas.

O centro da questão, e das ações do Bible-GO não está no Pokémon-GO, não está no aumento de vendas ou de assaltos envolvendo a franquia, mas sim em perceber as oportunidades diferenciadas que a era digital coloca ao nosso alcance. É perceber o nível de alcance de um viral ou fenômeno e não ficar de braços cruzados reclamando e condenando os prós, ou lotar a timeline ou caixa de mensagem das pessoas com mensagens de que isso ou aquilo é obra do maligno, mas agir e desenvolver novos métodos de utilizar o “vento” ao favor do evangelho.

pokemon-centralpark-videosixteenbynine1050

Oportunidade de reunião e interação

Não pense que estou assim, apoiando e incentivando a instalação do jogo nos celulares dos jovens para que eles saiam desenfreada, deliberada e inseguramente por aí atrás de Pokémons e esqueçam da vida, escola, família… Jamais! Mas por favor, não vamos começar a condenar o jogo e exorcizar o celular de quem instalar. Deixe o jovem jogar, mas relembre ele dos princípios de segurança, e principalmente dos princípios bíblicos. Melhor um jovem que jogue 1 hora de Pokémon com seus vizinhos e amigos da igreja, e no final da caminhada aproveite a companhia para um estudo bíblico ou revisão da lição, do que um jovem que troque Pokémon por Clash Of Clans a noite inteira, de forma que se esqueça de estudar a Bíblia e se relacionar. Nada contra o jogo usado como exemplo, inclusive há pessoas que fazem o mesmo com outros conteúdos: música, filmes, séries, novelas, namoro, leituras seculares, etc.

O malefício das formas diferenciadas de lazer ou diversão está na forma que é feita e na quantidade de tempo gasta com as mesmas, como já abordado em outro artigo. Se qualquer atividade toma mais tempo e atenção, e permanece mais na mente do que o estudo e meditação na palavra de Deus, tenha certeza que isso com certeza é maléfico e consequentemente pecado. Então, a questão envolvida aqui é incentivar o jovem à temperança, que é fortalecida através da comunhão com Cristo.

Se você é do movimento “anti-Pokémons”, eu lhe convido a refletir na realidade que vivemos, na brevidade da volta de Cristo, nas pessoas que precisam ser alcançadas, nas dificuldades impostas pela alienação das pessoas no mundo móvel, e nas possíveis oportunidades que podem ser abertas com a adesão à realidade aumentada no jogo.

Se você é um daqueles que já tem um Chamander, Squirtle ou Bubblesaur em sua Pokédex, ou seja, um “pró-Pokémons”, lhe convido a reler os avisos do jogo: não jogue dirigindo, nem em locais perigosos, nem em becos escuros à noite, nem em canoas em lagos, nem na sacada, fique atento às placas e avisos, fique atento ao atravessar a rua, não deixe seus filhos sozinhos em casa… Na verdade, lhe convido a reler os avisos de Paulo: “… o melhor que vocês têm a fazer é encher a mente e o pensamento com coisas verdadeiras, nobres, respeitáveis … o melhor, e não o pior; … Façam assim, e Deus, que é soberano, irá tonar real em vocês a mais excelente harmonia.” (Filipenses 4:8-9 A Mensagem). Seja temperante, equilibrado, não desprenda mais tempo ao jogo do que ao estudo da bíblia, e busque através da comunhão, estudo e oração, coisas boas a se aprender com o jogo (de verdade).

linda-and-adam-1024x683

Há muita gente para “capturar” por aí!

E a ambos os movimentos acima faço um último convite: cogitem a hipótese de se tornarem membros do Bible-GO. Se você não joga, una-se a quem joga e busquem uma forma de levar esperança aos outros jovens. Se joga, estude os hábitos de outros jogadores que frequentam os principais lugares visitados (estádios e pokéstops) e desenvolva uma forma de alcança-los. Montem equipes, marquem encontros para tomar sorvete, comer pizza, conversar, estreitar laços. Só não deixem as oportunidades passarem, elas podem ser como o Dragonite: difíceis de achar, difíceis de capturar, mas com grande capacidade de resultados futuros.

 

R.G.